Avançar para o conteúdo principal

A melhor beleza

O tempo guarda a paciência, escreve direito onde as linhas se curvam, sabe esperar pelos solstícios. Não se pode fazer sem ele, o que só com ele se faz. A pressa da vida nada tem a ver com a urgência dos dias; a sequência que mistura a luz e a sombra nem sempre são desejos da mesma montanha, o que parece universal é, às vezes, um breve crepitar de uma estrela perdida na linha do horizonte. É preciso acreditar na sua fosforescência, é nela que, provavelmente, se oculta a melhor beleza. A luz, que muitos desejam, é a alegoria de uma nova vida, de um renascimento. Ao darmos nomes ao que sentimos, a inquietação desassossega-nos, abrem-se as veias a um novo pulsar que clama do vulcão um rio de lava. Na corrente desse fogo arde o mistério da esperança, a flor de pétalas azuis como rosáceas góticas resgatadas ao imaginário dos deuses. O tempo escreve com paciência para que o Homem se reencontre na sua pressa de viver.
António Vilhena

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O AMOR E A LIBERDADE

A morte de Mário Soares fez-me resgatar um texto que escrevi quando Maria Barroso faleceu em 2015.  Ela foi um bastião de amor e de dedicação; foi, antes tudo, uma mulher de cultura, uma indefectível amiga dos poetas e dos actores, uma voz incómoda mas respeitada. Todos lhe reconhecemos um caminho próprio ao lado de Mário Soares. Tinha uma luz e um carisma que não careciam de bengalas. Foi sempre protagonista da discrição, matriarca da família e âncora dos afectos. O que mais me impressiona na sua longa vida, foi o seu exemplo de paixão a um homem. Dedicou-lhe uma vida como se pode ler nas cartas que lhe escreveu. Hoje, neste espaço, curvo-me perante o seu exemplo de paixão. Deixo-vos uma carta de amor de Maria Barroso a Mário Soares. É uma escolha pessoal, subjectiva, mas onde é possível ler o outro lado, o menos visível, de uma mulher apaixonada e, assim, compreender melhor por que quis casar-se com Mário Soares, a 22 de Fevereiro de 1949, quando este estava preso. O amor vence quas…

CRÓNICA:Os bajuladores

Daqui a cem anos não haverá a mais pequena memória deles, ninguém saberá desenhar os seus rostos, nem dizer se tinham cabelo preto ou loiro, se eram altos ou baixos, se tinha cão ou gato. Daqui a cem anos, ou menos, não restará a mais pequena lembrança da cor dos seus olhos, da sua roupa, das verrugas ou dos seus tiques sociais. O tempo apagará os que forem cúmplices por omissão, os que não tiverem coluna, os que se prestarem a vergar a cabeça, os que cuidarem apenas da sua vidinha pondo pedras no caminho dos outros. Daqui a cem anos, ou menos, a lápide estará ilegível com os seus nomes. Há gente que se presta a todo o tipo de serviços, que se vende por um sorriso de circunstância, por um favor para filha, para o primo, para a sobrinha, para a amiga, para a amante, para mulher, para o animal de estimação. Há gente que se dedica à intriga para cair na graça da(o) chefe a troco de uma boa conversa à hora da bica. Todos conhecemos a Maria, o José, a Fernanda e o Miguel que são zelosos cu…
«Portugal é um povo triste, até mesmo quando sorri. A sua literatura, inclusive a sua literatura cómica e jocosa, é uma literatura triste. Portugal é um povo de suicidas, talvez um povo suicida. A vida para ele não tem um sentido transcendente. Querem viver, sim, talvez; mas para quê? Mais vale não viver.» Quem o escreveu foi Miguel de Unamuno, escritor e filósofo espanhol (1864-1936). Este pensador dedicou-se a estudar o nosso pessimismo. 
Para este pensador da "geração de 98" os portugueses são capazes de arriscar tudo, desde que seja em nome de uma verdadeira paixão, ao contrário de outros povos que só o fazem se resultarem ganhos monetários. 
Muito tempo passou desde que Unamuno escreveu sobre o perfil dos portugueses. Sim, suicidaram-se: Antero de Quental, Camilo, Soares do Reis... Mas Soror Mariana de Alcoforado não se deixou morrer por amor? Ah, a lista seria imensa.
Mas a verdade é que somos um povo triste. Hoje constatei isso mais uma vez. No 1 de Janeiro as pessoas de…